domingo, 5 de junho de 2016

SERINGUEIRO

FONTE: google imagem

A sombra esquelética do que foi um forte
Vagueia em cintos de embira, com suas garras de ferro
Fere o leite que chora a mata e mata a liberdade
Pele macia da árvore domada, hevea brasiliensis  
Preso no eterno ir, vir e voltar a ir sem chegar a lugar algum
Sonhos derretidos, endurecidos, impregnados na alma o desalento
A vida evaporando a cada baforada dos torrões
A cada giro fumacento, dura, a vida
Nódoa grudenta, homem aviado, endividado,

Desgraçado destino, infeliz nordestino que escravo se fez.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.