sexta-feira, 7 de agosto de 2015

INDEFERIMENTO DE PEDIDO DE LICENÇA SAÚDE SERÁ DISCUTIDO HOJE ENTRE O SINTEPP E O IPASEMAR


Em reunião marcada para às 14 horas, o Sintepp pretende tirar um direcionamento junto a presidência do Ipasemar sobre as constantes negativas dos pedidos de licença saúde que tem acontecido contra os trabalhadores em educação.
Karan-El-Hajjar - presidente do Ipasemar

Temos recebido constantemente reclamações de servidores da secretaria municipal de educação filiados ao Sintepp sobre um fato que causa muita indignação. A equipe de perícia médica do Instituto de Previdência e Assistência do Servidor de Marabá tem se excedido no rigor ao analisar os pedidos de licença saúde. 
O governo municipal andou se queixando de que havia no município de Marabá uma verdadeira "fábrica de atestados falsos". Se isso existiu de fato, não sabemos. Sempre acreditamos e defendemos a idoneidade de nossos companheiros. Somos contra toda e qualquer medida que objetive punir mais ainda nossos companheiros. 
O que anda acontecendo por parte dos médicos peritos do Ipasemar é isso, uma verdadeira punição contra o servidor doente que não tem condições de trabalhar e atesta isso com um laudo médico. O servidor doente leva para a perícia laudo, atestados, exames, passa por uma vexatória acareação para depois, sem nenhuma justificativa, apenas com a marcação de um X ter seu pedido de licença para tratamento da doença que lhe aflige negado!  
No entender da coordenação desse sindicato, essa postura do Instituto não é correta. Ninguém pede para adoecer, ninguém pode trabalhar doente. A licença saúde é um direito do servidor que precisa ser respeitado. 
Encaminhamos ofício ao senhor Karan-El-Hajjar, presidente do Ipasemar solicitando com a máxima urgência uma reunião para debatermos esse assunto e tirarmos uma solução. A reunião está marcada para hoje, 07/08, às 14 horas, no Ipasemar. 

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.