segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

REUNIÃO DA COMISSÃO QUE DISCUTE A HORA ATIVIDADE SERÁ AMANHÃ

FONTE IMAGEM: GOOGLE IMAGEM
Buscando uma saída para o nó que se tornou a implementação da hora-atividade na rede pública municipal de ensino de Marabá, a comissão de gestão do PCCR fará mais uma rodada de estudos amanhã dia 24/02. A reunião acontecerá no gabinete do secretário de educação municipal. 
A lei garante que um terço da jornada de trabalho do professor seja destinada a hora-atividade, todavia o texto é genérico e não diz como isso deve ser implementado. Uma coisa tem ficado claro para a companheirada, essa implementação não é algo fácil de se praticar. 
Um dos problemas está na forma como a rede municipal está organizada. Temos o primeiro segmento lotado por jornada de 20 ou 40 horas semanais, o que equivale a 100 ou 200 horas mensais; por outro lado, o segundo segmento é lotado por hora-aula. Pelo sistema de hora-aula, é preciso fazer adequações no currículo do município para dá certo a lotação do professor. Esse é outro problema, sempre que aparece uma proposta modificando uma ou outra disciplina os companheiros que ministram aula na disciplina a ser modificada reclamam. Nisso passou-se o ano de 2014 e não se conseguiu chegar a um consenso. 
O governo havia se comprometido fazer a implementação desse direito já em janeiro, mas resolveu dá "última forma", como se diz no quartel para voltar a trás. Como não se tinha uma proposta definida, nem recursos, segundo o prefeito, o compromisso é continuar discutindo para se cumprir o prazo legal de se implementar a hora-atividade que é "até 2016", conforme estabeleceu o legislador. 

Reações:

3 comentários:

  1. Aurismar o que avançou no PCCR no que tange aos direitos do apoio em geral?

    ResponderExcluir
  2. Aurismar, qual a dificuldade em se implementar fazendo da forma mais simples. Se o docente tem 100 horas de regencia, acrescenta-se os 33%, ou seja, 33 horas, totalizando 133. Daí, cumpre-se 100 de sala e as 33, na escola (50%) e o restante de livre docencia. Assim, não haveria a necessidade de alterações no currículo. Há algum nó neese sentido?

    ResponderExcluir
  3. Essa não é a ideia da hora-atividade, meu caro! Manter o professor com a mesma jornada e pagar por isso. A ideia é tirar o professor da sala de aula para que ele planeje, corrija trabalhos, etc. A sua proposta é para que o professor que trabalhe 200 horas ganhe por 266 horas, isso não traz melhoria para educação, nem tira o estresse do professor. Exemplo disso é a rede estadual, na qual o professor já recebe 25% de hora-atividade, que estão inclusos nas aulas suplementares, e, no entanto a rede estadual lidera o ranking negativo nos índices educacionais do Brasil. Essa sua ideia não defendemos, somos contra.

    ResponderExcluir

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.