domingo, 28 de setembro de 2014

A CONTRADIÇÃO DO ATO DEMOCRÁTICO OBRIGATÓRIO

 
O Brasil é um país onde a democracia vira motivo de piada, galhofa, palhaçada. No momento mais importante de nossas conquistas políticas, a escolha de nossos representantes nas urnas, o que vemos, quer seja na televisão, quer seja pelas ruas, é uma verdadeira falta de respeito.
Votar pra que, se nada vai mudar? Essa pergunta já ouvi por ai várias vezes quando falo de política. Nosso povo está desacreditado na cara lavada dos políticos que andam nas ruas pedindo voto, ou nos que aparecem nos programas de tv, apregoando milagres e maravilhas ou fazendo piadas.
Os políticos que tem de sobra dinheiro para gastar, não se preocupam nem em criar um programa de governo, ou projetos que anime o eleitor, tamnha é a certeza da vitória nas urnas. Em muitos casos, os votos já estão garantidos, o dinheiro da compra já foi reservado. Os grandes cacifes nunca perdem a magestade. Aqueles que tiveram o azar de serem pegos no velho costume do cachimbo que deixou a boca torta e não puderam concorrer, logo arranjaram seus herdeiros, apaticos, mas de cara lavada como os progenitores. Ai teremos que engolir os Barbalhos, os Ten Caten, os Bentes e outros tantos nesse Brasil a fora.
Os partidos pequenos que surgem baseados em ideologias, firmes e sérias, muitas vezes, ficam presos nos circulos universitários, sem ter como ser apresentado ao povo, tamanha é a injustiça que o atual sistema eleitoral comete com esses partidos na hora de dividir o horário eleitoral. Enquanto o candidato tucano teve entrevista de meia hora em um programa da Rede Globo, a psolista Luciana Genro teve 30 segundos. Essa tem projeto de goveno pra mostrar e não teve tempo, aquele ouvio durante todo o tempo o apresentador Chico Pinheiro lhe cobrar o projeto de governo que ele dizia "que iria apresentar a tempo", mas não apresentou porque não o tem.
Numa democracia onde o maior ato democratico é uma obrigação, os que realmente querem revolucionar com ideias não tem tempo nem dinheiro para divulgar as ideias, pois não se deixaram vender; a revolução não faz com o voto obrigatório, infelizmente, esse instrumento acaba virando moeda de troca nas mãos daqueles em nada se interessam em mudar a realidade política desse país. A nossa revolução começará quando conseguirmos a reforma política nesse país, quando tirarmos a obrigatoriedade do voto, pois então teremos como eleitor as pessoas mais esclarecidadas politicamente nesse, e isso não significa nível de estudo, acreditem.   

Reações:

Um comentário:

  1. O importante é que eles tem dinheiro e pessoas para investirem em suas campanhas. O povo que se dane! Infelizmente esse é nosso Brasil.

    ResponderExcluir

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.