sexta-feira, 1 de agosto de 2014

UBIRAJARA SOMPRÉ, O ÍNDIO DE MARABÁ, TEVE SUA CANDIDATURA INDEFERIDA PELA JUSTIÇA ELEITORAL

 
O candidato a deputado estadual UBIRAJARA SOMPRÉ (PROS/MARABÁ) teve sua candidatura indeferida pela justiça eleitoral. Segundo informações, Ubrajara deixou de apresentar à Justiça Eleitoral uma certidão da Polícia Federal, mesmo tendo sido informado e ciente do prazo. Ubirajara era um dos mais cotados nessa disputa, mas que infelizmente cometeu esse deslize. Dificilmente conseguirá reverter essa situação uma vez que já não há mais prazo.

Reações:

10 comentários:

  1. Cada um tem aquilo que merece.

    ResponderExcluir
  2. Fabricio Limaagosto 03, 2014

    Menos um ladrão p concorrer e ficar atormentando as pessoas por voto...

    ResponderExcluir
  3. Que bom não é Wendel ????

    ResponderExcluir
  4. Achamos que o Prof. Wendel Bezerra não concorre com o Vereador Ubirajara! Os eleitores do nosso candidato não votam em Ubirajara! E achamos que a recíproca é verdadeira, já que na eleição de Ubirajara o que vale é o aparato financeiro. Além de tudo isso, não podemos esquecer que o Indeferimento está em fase de recurso.

    ResponderExcluir
  5. Acho uma pouca vergonha virem para site difamar as pessoas.
    Vão procurar o que fazer...

    ResponderExcluir
  6. Caro Prof. Aurismar, no PT, que para os padrões partidarios brasileiros já tem uma longa existencia, após três decênios, não há nenhum quadro que possa se transformar em referencia para os vermelhos. Todos aqueles que se opuseram ao domínio lulista acabaram tendo que sair do partido ou se sujeitaram a ser meros estafetas. Lula, tacanho, destratou e humilhou diversas lideranças históricas do PT. Quando iniciou o processo de escolher candidatos sem nenhuma consulta à Direção partidaria, os chamados "postes", transformou o partido em instrumento de sua vontade pessoal, imperial e absolutista. Não era um meio para renovar lideranças, e sim, uma estrategia para impedir que outras lideranças pudessem ter vida própria, o quê, para ele, era e é, inadmissível. Em 11.09.14, Marabá-PA.

    ResponderExcluir
  7. Prof. Aurismar, o " eu não sabia " passará à historia como a frase-lema do Brasil pós-ditadura. Será lembrada quando, no futuro, quiserem recordar a época em que o país era regido pelo cinismo. Lula usou-a no e durante o escândalo do Mensalão do PT. Citando-a, o tucano Azeredo repetiu-a no processo do Mensalão do PSDB mineiro. Alckmin empregou-a no caso do Cartel dos Trens e do Metrô/SP. Volta agora, com variações, nas desconversas de Dilma sobre a Petropina : " Eu não tinha a menor ideia de que isso ocorria dentro da Petrobrás ". Usada assim - a frase - desavergonhadamente, a expressão vai virando uma espécie de código. Quando ela aparece, já se sabe que o país está diante de mais um desses escândalos que, de tão escancarados, intimam os (ir)responsaveis a reagir, ainda que seja com cara de nojo. É nessa hora que governantes capazes de tudo pedem ao país que os considere incapazes de todo. E alguns brasileiros - sim, nós - como que dotados de indulgência congênita(putz...), lhes concedemos um "deixa-prá-lá preventivo", que transforma cúmplices notórios em cegos atoleimados. Claro que, entre o arrombamento do cofre e as manchetes de primeira página, há um longo caminho de decisões tomadas ou negligenciadas, desde a ordem presidencial para entregar a Diretoria da Petrobrás a um apadrinhado de PT, PMDB e PP, até o engavetamento dos Relatorios do TCU que apontavam superfaturamentos nas obras da refinaria de Pernambuco. Ao menos, 25 Dep. Federais, 6 Senadores, 3 Governadores, 1 Ministro de Estado e os 3 partidos acima citados, foram beneficiados com 3% do valôr dos Contratos firmados com a estatal. Submetido a escândalos em série, o brasileiro ainda sente necessidades imperiosas de confiar em seus governantes. Mesmo que elas sirvam apenas para dar à mesma porcaria de sempre uma fachada mais atraente. A percepção de que o "eu não sabia" é apenas uma máscara que empurra o país em direção ao ceticismo terminal. Parte dos brasileiros, sim, nós, novamente, parece sentir uma grande necessidade de acreditar na ilusão de que a política, ainda se divide em duas bandas distintas ; A ruim(as oligarcas carcomidas) e a boa (o pessoal da nova política, os bicudos, a turma da estrela...). A revelação de que, no poder, Dilmas e Renans são indistinguíveis, seria demais para muitos corações. Por mais cabeludo que seja o escândalo, o próprio "sistema" acaba se auto-regulando. uando o Congresso Nacional escorraçõu do Planalto o "Collor", teve-se a sensação de que o país poderia livrar-se de seus gatunos. Quando o STF mandou para a Papuda(presídio) grande parte da Cúpula do PT, enxergou-se a "luz no fim do túnel". Porém, a reiteração dos assaltos aos cofres públicos, um engolfando o outro, num moto-contínuo inferna, revela que o brasileiro parece não ter mesmo muitas escolhas : Ou é bobo ou é cínico. Em 11.09.14, Marabá-PA.

    ResponderExcluir
  8. Realmente foi um deslize. De certo modo até bobo mesmo. Mas, fica a lição. Bola pra frente.

    ResponderExcluir
  9. Prof. Aurismar, a expressiva votação que garantiu a eleição de Beto Salame ao Congresso Nacional, faz-nos analisar, que o mesmo norte, foi usado por Sompré. Com o diferencial que a "Campanha" do irmão do alcaide local, foi regada com milhões de reais saidos de onde ? Todos sabemos a origem. Nada pessoal contra o Dr. Alberto Salame (Advogado e Dep. Fed. eleito) Porém, cumpre lembrar que enquanto munícipe e profissional da área de Direito, esse senhor, não tem sequer uma ação em prol dos outros seus munícipes e muito menos na área onde atua profissionalmente. Donde então essa ânsia desmedida pelo poder ? Lastreada em quê ? Que criterios(certamente inconfessáveis) adotou para sentir-se "com o direito" de pleitear candidatura de tal envergadura ? Por favôr, pensem nisso. Vejo como mero oportunismo. Em 06.10.14, Mba.-PA.

    ResponderExcluir
  10. Em tempo : Correção, onde lê-se "Alberto" Salame leia-se Roberto Salame. Em 10.10.14, Mba.-PA.

    ResponderExcluir

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.