sexta-feira, 15 de agosto de 2014

SOBRE HORA - ATIVIDADE - SÓ UMA PALAVRA DE ORDEM

Resolvi fazer essa postagem por conta das muitas conversinhas, piadinhas, e algo desse tipo que ouvi nos corredores das escolas, em sala de professores, e, até mesmo por ai, por onde andei. Falarei não como o coordenador sindical, mas como o professor de sala de aula que cumpre uma jornada de 350 horas nas duas redes estadual e municipal, trabalhando em 4 escolas. Essa é a jornada que me escraviza e que tem sido responsável pela escassez de postagem nessa ferramenta de comunicação com a categoria. 
Alguns são radicalmente contra a implementação da jornada de trabalho e consequentemente contra a hora-atividade. Esse fato me recorda um tempo, não muito distante, no qual os trabalhadores em educação do nosso município recebiam seus proventos no Banpará. Não havia conta-salário, o pagamento era feito na boca do caixa mediante a apresentação de documentos de identidade e CPF. Em dias de pagamento, a fila chegava onde hoje fica a Praça da prefeitura, na época apenas um baixão de muita poeira. Lembro-me que, quando passávamos de ônibus coletivo em frente ao banco, todos no veículo comentavam a falta de respeito com os professores. Muitos diziam "deus me livre de ser professor pra viver nessa humilhação". 
Quando foi apresentada a proposta de se criar a conta-salário para todos os servidores, através da qual o trabalhador receberia um cartão para sacar seu pagamento no dia que quisesse, em um caixa eletrônico, houve quem pulasse lá longe: _ Deus me livre de um negócio desses! o banco vai roubar o dinheiro da gente! Houve protestos e articulações para que isso não acontecesse. Será que alguém hoje quereria voltar aquele tempo? Duvido. 
A implementação da jornada com carga-horária de 100 ou 200 horas, sendo que 1/3 disso será cumprido fora de sala de aula, para que o professor não mais tenha que sacrificar seus finais de semana e feriados corrigindo provas e atualizando diários, é um benefício pelo qual lutamos há mais de 30 anos. Ser contra isso é não conseguir, como os não-esclarecidos daquele tempo, visualizar os benefícios e ficar analisando a situação de um ponto de vista equivocado, ou pequeno demais.
Sei que o salário do professor está longe de ser o ideal. A saída imediata encontrada por muitos para se conseguir melhorar o salário é trabalhar em duas, ou até três, redes de ensino. Eu mesmo faço isso desde 2004. Continuarei fazendo, uma coisa não inviabiliza a outra. O que não dá mais é para o professor fazer como eu já fiz há algum tempo: dar duas aulas numa escola do estado, por exemplo, e correr para dar três aulas numa escola do município. Já fiz essa proeza entre as escolas Deuzuíta no bairro Laranjeiras, o Acy Barros no Incra e o Gaspar Viana na Nova Marabá. Hoje trabalho 130 horas na rede estadual pela manhã, 100 horas na rede municipal à tarde e 120 na rede estadual à noite. e ainda tenho uma manhã, uma tarde e uma noite de folga. Tudo é uma questão de organizar a sua vida nas escolas. Foi justamente por isso que concordamos em iniciar a jornada para o professor do segundo segmento do fundamental e EJA somente em janeiro de 2015, para o professor organizar a sua vida. 
Aprovei essa proposta enquanto sindicalista e aprovo enquanto professor, doa a quem doer. Desagrade a quem desagradar. Ame-me ou me odeie. Tenha admiração por mim pela minha postura ou me despreze, mas não mudarei meu convencionamento de que isso é o melhor para a categoria e o melhor para mim professor que sou de carreira do município. 

Reações:

22 comentários:

  1. Vc vai dimunuir seu salario em 2500.00 pois vai ter que trabalhar um turno no estado 100 e outro no municipio....perdera 130 horas, se esse dinheiro nao fara falta....bom pra ti...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você não entendeu mesmo essa questão, amigo. A hora-atividade está sendo implementado na rede municipal e não na rede estadual. O professor poderá se lotar com até 200 horas na rede municipal se quiser.

      Excluir
  2. Meu caro, a situação é bem simples, se for implantado o sistema de jornada, vamos perder dinheiro, e muito dinheiro mesmo. O professor que hoje tem 125 horas, consegue cumpri-las trabalhando de segunda a sexta em um turno, percebendo remuneração de R$ 1.800,00 (aproximado bruto), se passasse a receber a hora atividade, mais 41 horas (1/3x125), passaria para 166 horas, totalizando R$ 2.407,00 (aproximado bruto), tendo apenas que ir a escola um dia da semana no contra turno fazer seu planejamento. Agora, com a jornada, só chegaremos a 20 horas semanais, com a hora atividade inclusa, mesmo que em um dia da semana não precisemos ir a escola, mas seremos "EXCLUSIVIDADE" neste dia, pois não poderemos trabalhar em outro lugar. Resumindo, só alcançaremos 100 horas mensais, recebendo a bagatela de R$ 1.450,00 mensais. Em breve vou fazer um artigo sobre a situação, para que a classe entenda a gravidade desta mudança. Agora me causa espanto a forma como o SINTEPP vem conduzindo as negociações, ou tem má intenção (fato que duvido piamente) ou muito desconhecimento de seus diretores e presidente.
    LEONARDO DA SILVA BRITO _ Professor na rede publica municipal de Marabá

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro Leonardo, em primeiro lugar a hora-atividade não é, nem deve ser paga em pecunha, mas sim um tempo na jornada de trabalho do professor para que ele planeje, corrija provas, leia um livro, etc; em segundo lugar, se hoje você tem 125 horas-aulas, você vai poder pegar até 200 horas, mas trabalhará com aluno de fato apenas 137 horas; em terceiro você poderá chegar a 40 horas semanais; em terceiro lugar, acho que o amigo precisa entender bem esse ítem de jornada de trabalho, leia a lei do piso faça seu artigo e mande que publicarei.

      Excluir
    2. Aurismar, a hora-atividade é remunerada tal qual a hora aula em sala, a diferença é que o professor a utiliza para planejar, corrigir atividades, etc. Não sou contra a hora-atividade, pelo contrário,é um direito nosso. Agora, devemos perceber que no sistema de jornada, a nossa hora aula que é de 50 minutos, passará para 60. Faça as contas, verás que tomaremos um prejuízo enorme, Me mostre em números que não perderemos dinheiro, eu te mostrei, não adianta só blá, blá, blá.

      Excluir
    3. Você está enganado, meu caro Leonardo, a proposta é inclusive equiparar a duração da aula para 45 minutos, como é na Rede Estadual. Mas isso é secundário, no final sempre dará 20 ou 40 horas mensais. Mesmo a aula de 45 minutos, por exemplo, duas aulas não é 2 horas e sim 1 hora e 30 minutos.

      Excluir
    4. Leonardo vc está certo.......

      Excluir
  3. eu não sou contra a implementação da jornada, mas sou contra o modo que ela está sendo imposta, pois quem tem dois vínculos, nem sempre os consegue na horizontal, principalmente por causa desse tal de intermediário

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O governo não está impondo nada, somos nós quem exigimos que se cumpra a lei do piso na sua integralidade, inclusive implementando a jornada com a hora-atividade.

      Excluir
  4. gostei ariosmar tambem apoio a jornada.

    ResponderExcluir
  5. Qualidade de vida e' melhor que dinheiro,se o Professor tem x horas no estado e horas y no município, considerado a qualidade das aulas sem planejamento perde aluno perde o professor. Apenas uma opinião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O bom professor é bom com 100horas ou 300 horas e o mau professor com uma turma ainda é péssimo...

      Excluir
  6. Na realidade, o grande problema é que muitos que agora conseguem tempo para expor as suas ideias aqui no blog Gazetando, não comparecem às Assembleias. Volto a repetir que tudo foi debatido com apresentação em slides e através de argumentos expostos por dirigentes do SINTEPP. A Coordenação do SINTEPP fez o que é certo, pois depois de debater com o governo, deixou a categoria aprovar a proposta que fosse mais justa. Mas isso também é um problema que sempre percebo nas assembleias, há sempre pessoas que não participam; que discordam das propostas apresentadas e mesmo sabendo que quem aprova é a maioria dos trabalhadores presentes, eles sempre acusam a direção do SINTEPP. Como disse o Leonardo, acusam até o Coordenador geral do SINTEPP. Quero deixar claro aos leitores deste blog, que não tenho uma opinião formada sobre a a hora-atividade, pois não participei dos debates com o governo. Mas deixo claro que os companheiros do SINTEPP em momento algum aprovaram qualquer proposta sem consultar a base! Uma coisa está clara, ou com Jornada ou com hora-aula, há a obrigatoriedade de se implantar a Hora-atividade! Seria bom se os companheiros que não concordam com a proposta de Hora atividade com Jornada, pudessem apresentar uma proposta diferente, que garanta Hora-aula e a hora atividade. Tenho certeza que se for possível, nós vamos lutar para implementar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A hora-atividade é um direito e deve ser sim implantada, mas isso só será possível por meio de jornada? Muita gente que trabalha em duas redes, inclusive eu e alguns amigos, será prejudicada, pois não tem a carga horária tão bem distribuída como você tem. Se realmente esse sistema for implantado, eu perderei 105 horas de uma vez só, o que é muito preocupante já que tenho dívidas e conto com o dinheiro advindo também dessas horas para saldá-las.

      Excluir
  7. Se os professores não querem a garantia de um dia de Livre docência sem estar trabalhando em outras redes, cabe a nós do SINTEPP reivindicar que cada um faça o que bem entender no seu dia de Livre docência! Vamos reivindicar isso e deixar que cada um defina os rumos da qualidade do ensino que vai ministrar, já que usará o seu tempo livre para trabalhar em outras redes! O trabalhador é responsável pelos seus atos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. gostei wendell, gostaria que esse dia ficasse a critério do professor, a única mudança seria essa, o resto esta bom

      Excluir
    2. A verdade é que todos são favoráveis a implementação da hora-atividade, que ressalte-se, um direito da categoria, no entanto, precisamos esclarecer as possíveis maneiras de funcionamento. Participei da Assembleia, e percebi ao final que muitas dúvidas ficaram "no ar". Fui a sede do SINTEPP para conversar sobre o assunto, fui muito bem atendido, apesar de discordar do ponto de vista exposto por um dos diretores. Indico aos colegas que façam o mesmo, vamos nos aprofundar no assunto, pois se a proposta da jornada for aprovada, tomaremos um prejuízo financeiro grandioso.

      Excluir
    3. Essa questão de a critério do professor já não sei se é possível! O horário é a critério da Lotação de cada escola!

      Excluir
    4. banco de dados,
      É assim que funcionam as coisas no SINTEPP! Nós defendemos até a morte que cada companheiro possa defender o seu ponto de vista, a sua opinião, mas no fim o que deve prevalecer é a opinião da categoria!
      Você que participou da Assembleia viu que a maioria é que define e que aprova! Precisamos avançar na participação nas Assembleis...

      Excluir
  8. Só lamento que essa galera, anônima, ou que usa pseudônimo, não tenha comparecido na assembleia que aprovou a proposta. Mas tudo bem, a voz da categoria é a voz do SINTEPP, apesar da assembleia ser soberana...

    ResponderExcluir
  9. O que fazer se o servidor trabalha nas duas redes, mas a carga horária é "picada" entre os três turnos, por exemplo, 50 horas do município pela manhã e 50 à tarde; 50 do estado pela manhã e 50 à tarde e 30 à noite? Essa é uma situação em que muitos servidores se encontram atualmente. A hora atividade deve sim ser implantada urgentemente, mas creio que a jornada não é melhor opção que a hora aula.

    ResponderExcluir

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.