quinta-feira, 15 de maio de 2014

Gerson do Badeco reassume cargo de vereador na Câmara

Gerson do Badeco reassume cargo de vereador na Câmara

Ele teve recurso acatado pelo Tribunal Regional Eleitoral e voltou ao cargo na sessão desta quarta-feira
Parentes e amigos de Gerson dos Santos do Rosário Varela, o Gerson do Badeco, participaram na manhã desta quarta-feira,14, da cerimônia de posse dele no cargo de vereador. Depois de ser reeleito em outubro de 2012, ele assumiu a função em janeiro de 2013 e no final daquele ano foi afastado do cargo por determinação do juiz eleitoral César Dias de França Lins, da 23ª Zona Eleitoral de Marabá.
A secretária da Mesa Diretora, vereadora Irismar Araújo, leu o Termo de Posse e a presidente Júlia Rosa reempossou Gerson do Badeco ao cargo depois que ele fez juramento, garantindo trabalhar em favor da comunidade local.
“Superior”, como Gerson chama amigos e correligionários e também gosta de ser chamado, voltou ao cargo após decisão do Pleno do TRE-PA por 3 votos a 1. O vereador do PHS reassumiu a função no lugar do vereador Ilker Moraes, que é o primeiro suplente do cargo no partido.
Antes de usar da tribuna, ele levantou as mãos para os céus por cerca de um minuto e declarou: “Deus é Superior”.
Em seu discurso, Gerson do Badeco pediu quatro minutos da atenção dos vereadores e chamou seu pai Paulo Sérgio Varela e sua esposa Nágila Varela, que falaram da luta dele, Gerson, para voltar à CMM, e da “injustiça” que acreditam ter sido cometida.
O patriarca dos Varela falou do trabalho social que sua família realiza no bairro Santa Rosa, na Marabá Pioneira, o qual se expandiu para outros locais da cidade. “Muita gente não sabe da gratidão que tenho pelo povo de Marabá, e me dediquei sempre à comunidade menos favorecida. Meu filho ficou afastado por quase 8 meses do cargo, e continuamos a atuar nas bases. Ser pobre é uma honra, mas a maior honra que sempre pedi que eles tivessem é ser honesto”, disse Paulo Sérgio.
Gerson enalteceu seu pai, o apoio que recebeu dos demais parentes e amigos durante o período de luta judicial. Ele disse que a primeira batalha foi da eleição, depois da acusação de conduta vedada e abuso de poder político. “Todas as justiças humanas falham, mas Deus não falha. O TRE confirmou o equívoco judicial e fez a mais cristalina justiça. Os que achavam que eu não voltaria, se enganaram. Fui julgado e inocentado. Os juízes disseram que jamais eu deveria ter sido afastado. Venci no TRE sem calúnia e difamação e retorno à Câmara Municipal muito feliz”.
Badeco disse que chegou a passar por problemas de saúde em oito meses de afastamento da Câmara. “Apesar disso, meu compromisso para com a comunidade sempre prevaleceu. Vou trabalhar para melhoria das políticas públicas em favor dos mais necessitados”.

---------------------------------------------------------------------------------------

CPI do Transporte é aprovada no Plenário da Câmara

Relatório da CPI apresenta, entre outras coisas, vícios no processo licitatório
CPI do Transporte é aprovada no Plenário da Câmara
Durante a sessão realizada na manhã desta quarta-feira, 14, no Plenário da Câmara Municipal de Marabá, a maioria do colegiado de vereadores aprovou o relatório apresentado pela Comissão Parlamentar de Inquérito que analisou o transporte coletivo em Marabá, especificamente o processo licitatório para escolha de novas empresas no ano de 2012.
Para o vereador Coronel Araújo, que havia pedido vistas ao processo e que encaminhou sua análise em forma de parecer a ser juntado à CPI, era preciso que a Comissão apurasse outros meios de transporte no município, e que houvesse maior profundidade sobre a realidade no setor de transporte em Marabá.
Araújo disse ainda que era de suma importância que o relatório apresentado por ele, juntamente com o do DMTU, estivessem juntos no processo, dando maiores informações e subsídios sobre o transporte urbano municipal.
Na avaliação da vereadora Irismar Melo, é necessário que o relatório se aprofunde e contemple outros aspectos importantes no que diz respeito ao transporte em Marabá. “Não posso concordar com um relatório que não responsabiliza também o poder público”, disse a parlamentar.
Irismar revelou ainda, que não aprova da CPI sem os documentos fornecidos pelo DMTU, observando que os documentos fazem falta para a compreensão do tema debatido. “Aprovo o relatório do Araújo. Em relação ao relatório da CPI, considerando que houve fragilidade na confecção, eu não sinto que está a contento, então voto contra”, finalizou a vereadora.
Gerson do Badeco, que participava pela primeira sessão de uma sessão após retornar a função de vereador, pediu que o relatório fosse encaminhado para o Ministério Público. Contudo, o vereador fez a ressalva de que a CPI deveria ter abrangido os outros meios de transporte no município, como moto-táxi e táxi lotação.
Guido Mutran, presidente da Comissão, disse em seu relatório que falou concorrência e transparência no processo licitatório, e que existe um monopólio em Marabá. “Houve uma empresa de turismo que passou a exercer função de transporte urbano de passageiros”.
Mutran disse ainda que o relatório da CPI foi um trabalho árduo e que trouxe à luz vários pontos sobre o transporte municipal, e evidencia outros tantos erros em diversos pontos. “Existe um pedido de cancelamento de licitação; transferência de uma empresa para outra, monopólio, falta de concorrência no processo licitatório, entre outras coisas nebulosas. Cumpri com o objetivo proposto, juntamente com meus colegas Ubirajara e Pedro Correa”, garantiu.
A presidente da Casa, Júlia Rosa, colocou a CPI em votação, que foi aprovada com o voto contrário da vereadora Irismar. O conteúdo do relatório será encaminhado ao MP, para que seja analisado e verificada qual medida será tomada diante das revelações contidas no documento.
O relatório do vereador Coronel Araújo ainda será analisado pelo departamento jurídico da Câmara Municipal e só depois será submetido à apreciação dos demais vereadores. Quanto ao relatório do DMTU, este deverá também ser encaminhado ao Ministério Público para robustecer o trabalho comparativo e investigativo dos promotores.

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.