segunda-feira, 21 de abril de 2014

DIZEM QUE O QUE DEUS UNIU NÃO SEPARA O HOMEM. SERÁ?

Não sei porque esse entardecer em casa, a passagem do dia pra noite, o cricrilar dos grilos, o sol dando seus últimos suspiros por traz das casas no horizonte, deixa a gente meio amolecido. Às vezes, qualquer coisa banal nos leva longe. Os pensamentos veem e tomam conta da gente, quando nos apercebemos, estamos a horas enredando histórias  que se passam e por si mesmo se resolvem.
Eu estava ouvindo, quase sem me ater a letra da música já tão conhecida, a história cantada por Zé Ramalho das três mulheres novas, bonitas e carinhosas: Helena, Roxana e Maria Bonita. Três qualidades, essas, difíceis de se encontrar em uma mesma mulher, se bem que são qualidades relativas, vai do ponto de vista do espectador, se esse for um marido apaixonado então... foi quando me veio a mente, não três mas duas mulheres aqui do bairro,  que do meu ponto de vista, não tinham essas qualidades, nem das gregas, nem da sertaneja. Uma delas estava mais entre a estrela e a serpente, se bem que mais pra serpente. Tinhosa, cheia de veneno, espantava não só os poucos amigos que tinha, mas também os muitos que se juntavam ao marido para as bebedeiras costumeiras em sua casa. Possuidora de um riso e um olhar que nos faz lembrar a descrição que Bentinho faz da esposa Capitu “olhos de cigana, oblíqua e dissimulada”, sorria alto. Estridente até. Do mesmo modo que falava.   Essa era toda sua beleza aparente, o marido devia de ver outras escondidas. A segunda personagem era o oposto dessa. Discreta. O rosto sempre sério. Vida recatada com o marido que a levava todos os dias ao serviço; no final da tarde ia buscá-la, único momento em que ele fechava a pequena mercearia que havia montado num espaço reservado para uma garagem. Nem ele, nem ela eram dados para bebidas, nem para farras. O deleite dele devia de ser no corpo da mulher, bem mais jovem que ele. Ela, se reclamava de alguma coisa, ninguém nunca soube; pois não deixava nada transparecer.
Não é que a vida apronta e os dois casais se separaram!
Na separação do primeiro casal, houve todo requinte de dramaticidade: brigas, choros, separação primeira, retorno, separação segunda. Nessa a coisa foi feia, ela logo arranjou de conseguir um namorado, andou em todas as casas de festas da cidade. Namorou e foi namorada. Ele até filho fez em outra mulher. A separação era caso sabido em todo o bairro. “Caso consumado”, na boca de todos.
Com o segundo casal a separação foi tão discreta que nem mesmo ele, o marido, sabia que estava acontecendo. Ela pediu conta do trabalho. Enquanto esperavam sair o seguro desemprego e demais verbas trabalhistas, que calculavam nuns vinte mil reais, planejavam uma reforma na casa, ampliar o ponto da mercearia. Ele era todo sorriso, ia melhorar o negócio e teria a mulher por companhia todas as horas do dia. Na data certa, ela se arrumou – imagino que devam ter feito amor antes – juntou os documentos e saiu. Pegaria um táxi, para não incomodá-lo. O escritório da empresa ficava em uma cidade vizinha onde ela tinha parentes, voltaria em três dias. Levou apenas duas mudas de roupa.
O primeiro casal, depois de tanta confusão, vive uma segunda lua de mel, longe dos vizinhos, é claro, se desfizeram da casa, dos móveis tudo que lembrasse a vida antiga, acabaram com as farras. Fiquei sabendo que estão frequentando uma igreja, logo, logo, serão batizados. Ele voltou a estudar para entender melhor a palavra de Deus. Ela trocou os minúsculos shorts por longos vestidos, é uma das obreiras mais fervorosas.
Já nosso amigo merceeiro vive na mais profunda tristeza, não é que de lá a mulher pegou outro rumo! Nunca mais voltou. É de dar pena na gente. O homem tá minguando, nem estoque repõe mais na mercearia. Todo dia lustra a aliança – é ver pra crer, de longe brilha. Dizem que à noite, espalha sobre a cama as roupas que a mulher deixou pra traz e dorme abraçado com elas.  



Reações:

2 comentários:

  1. Nunca concordei com a expressão Gigolô das palavras por isso digo que vc é o mestre na arte de escrever parece que as palavras brotam como flores de primavera em sua mente. Vc é D Mais amigo Aurismar. Edina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. minha amiga. Fico feliz que você tenha apreciado meu texto.

      Excluir

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.