terça-feira, 18 de março de 2014

GREVE NACIONAL DA EDUCAÇÃO - NÃO É ASSIM QUE SE FAZ A LUTA!


  • NO BRASIL
A greve nacional da educação marcada para os dias  17, 18 e 19/03 está sendo organizada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), que representa mais de 3 milhões de educadores das redes públicas de ensino de educação básica. A Confederação exige o cumprimento dos seguintes pontos de pauta nacional:
  1. Cumprimento da lei do piso, carreira e jornada; 
  2. Investimento dos royalties de petróleo na valorização da categoria;
  3. Votação imediata do Plano Nacional de Educação;
  4. Destinação de 10% do PIB para a educação pública, contra a proposta dos governadores de reajuste do piso e contra o INPC.
  • EM BELÉM
A Coordenação Estadual do Sintepp decidiu aderir ao movimento e está programando passeatas em ato unificado com demais servidores nas ruas de Belém. Os pontos aprovados conjuntamente com os demais servidores foram os seguintes:

1. Revogação dos Decretos 945 e 954 de Jatene que retira pagamento de gratificação de tempo integral e horas extras dos servidores além de paralisar a implementação dos PCCRs;

2 – Reposição imediata de 15% linear para todos os servidores do estado;

3 – Piso Salarial Estadual com base no piso do DIEESE para 20h de trabalho;

4 – Vale alimentação no valor correspondente ao maior valor recebido na rede estadual;

5 – Implementação do PCCR Unificado dos trabalhadores da educação;

6 – Abertura de concurso para todos os cargos, em todos os níveis que houver necessidade;

7 – Nomeação imediata dos concursados;

8 – Renegociação das dívidas com o Banpará, com redução de juros;

9 – Vale transporte para todos os servidores sem o pagamento dos 6% por parte dos trabalhadores;

10 – Pagamento do pecúlio, em forma de indenização;

11 – Vale refeição aos servidores de licença;

12 – Fim da terceirização;

13 – Incorporação do abono de nível fundamental e médio;

14 – Fim do assédio moral;

15 – Reforma imediata das escolas, com apresentação do cronograma de obras bimestralmente;

16 – Ampliação do atendimento pelo PAS e fim das cotas de exames.

Também foram aprovadas pelo plenário as seguintes ações:C
1. Cumprimento integral dos acordos assinados na greve de 2013;

2. Solicitação de audiência com o secretário de educação para tratar sobre portaria de lotação 2014;

3. Nota de repúdio contra a Lei da presidenta Dilma sobre as manifestações que criminaliza as lutas dos movimentos sociais, o chamado AI 5 de Dilma.

  • EM MARABÁ
Aqui em Marabá, usando da autonomia que lhe garante o estatuto do Sintepp, coordenação da subsede local decidiu por não aderir ao movimento fazendo as seguintes considerações: 

  1. Porque acreditamos que esta Greve deveria ser por tempo indeterminado e não por apenas três dias como determinou a CNTE sem ouvir a categoria, ou seja, foi uma imposição! 
  2. Já estamos fazendo reposição da greve que ainda não acabou! Nossa greve foi apenas suspensa e pode iniciar a partir do dia 02 de abril, quando teremos nova Assembleia Geral da categoria para deliberar sobre a suspensão definitiva ou não da greve! 
  3. Por fim, ao que tudo indica, a CNTE não representa mais a classe trabalhadora, pois é muito fácil CONVOCAR uma greve nacional de três dias enquanto todo o resto do país está enfrentado longas greves por tempo indeterminado. Por que a CNTE não cumpre com o seu papel de defender as reivindicações dos trabalhadores e trabalhadoras em educação?
Em algumas escolas da Rede Estadual de Ensino em Marabá, os servidores se reuniram na segunda-feira e decidiram pela adesão ao movimento, a exemplo da Escola Irmã Teodora no Bairro Independência.  Lembramos que esse é um direito legítimo dos companheiros que assim decidirem. Concordamos com a luta, não concordamos com a forma como está sendo feita - é um jogo de cartas marcadas.





Reações:

4 comentários:

  1. Boa tarde Aurismar, preciso que você me tire uma dúvida: sou concursado como aux. de secretaria (assumo o cargo há 4 anos de secretário titular) e graduado. Acabei de dar entrada em um pedido de mudança de padrão para ver se a prefeitura me paga como nível superior ao invés de nível médio.
    Gostaria de saber se há essa possibilidade? Eu passarei a ganhar como nível superior ou permanecerei ganhando como nível médio?
    Aguardo resposta.

    ResponderExcluir
  2. Boa tarde, companheira. Essa mudança de padrão que você pretende, seria a mudança de nível médio, para Nível I, graduado, aqui no município de Marabá. Essa mudança somente é garantida ao professor concursado com o nível médio em magistério que fizer o curso de graduação em pedagogia. O atual PCCR da educação do nosso município garante ao auxiliar de secretaria a mudança de classe a cada interstício de 3 anos, indo da Classe A a H, como já acontece com os professores, a partir de 2011. . quando foi aprovada a lei que criou o plano de carreira. Essa primeira mudança deverá acontecer a partir de janeiro de 2015. A cada mudança ganha-se 5% de aumento no salário base.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo esclarecimento meu querido.
      Mas tenho outra pergunta: e o sindicato, já colocou essa questão em pauta para o governo? Será que um dia isso mudará e nossa classe passará a ganhar como nível superior?

      Excluir
  3. É por isso que lutamos por um plano de carreira unificado, para que todo trabalhador da educação possa progredir de nível dentro de seu cargo. Isso seria um incentivo ao estudo.

    ResponderExcluir

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.