quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

VALORIZAR OS PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO PARA DESENVOLVER A EDUCAÇÃO BÁSICA - ESSA DEVE SER A LÓGICA

O ano de 2014 chega nebuloso para os trabalhadores em educação no município de Marabá. Com a promessa do cumprimento do pagamento total da folha de dezembro somente para 6 de janeiro, com a condicionante de entrar recursos do FUNDEB, e o fantasma do PL 490-GP a assustar a todos é desanimador pensar em retornar as aulas no final do recesso.
Observando os recursos do FUNDEB recebidos pela prefeitura no período de 01/12/13 a 02/01/14 constata-se um total de R$ 11.034.259,36, quantia insuficiente para atender a demanda do município com os gastos da educação. Todos os outros recursos recebidos nesse mesmo período somaram R$ 24.424.857,16. O que nunca ficou claro para nenhum dos conselheiros do FUNDEB é exatamente de onde são tirado os 25% a serem somados ao FUNDEB para custear a educação. Se considerarmos que esses 25% venham de todos os outros recursos, teremos 6 milhões (os valores apresentados nas prestações de contas como recursos próprios sempre ficaram aquém desse valor), mesmo assim seria impossível cobrir duas folhas da educação no mês de dezembro mais a rescisão dos temporários.
É certo que a prefeitura teve seus atropelos com os atrasados deixados pela gestão anterior. Desnecessários repeti-los aqui, mas essencial para o entendimento de nosso raciocínio: a folha de dezembro/2012, toda a rescisão dos temporários, 6 meses de vale alimentação, o a mudança de classe de vários servidores que ficaram em atraso no mês de janeiro, o aumento do piso salarial que não foi possível em janeiro, além da mudança de nível I para Nível II requerida de direito por vários professores. Tudo isso ocasionou esse desfecho infeliz do ano de 2013 para a maioria dos trabalhadores da educação que amargaram um final de ano sem dinheiro.
A prefeitura se assustou com todas essas despesas a serem controladas e tenta de todas as formas administrar a situação. É caso sabido de todos a habilidade que o atual prefeito tem de calcular, de fazer contas, parece estar no seu sangue galego. E por isso ele aponta itens importantes em nosso Plano de Carreira a serem cortados através do famigerado PL 490-GP, DE 29 DE OUTUBRO DE 2013. Todavia, na contramão dessa tentativa de controle, parece haver um grupo político dentro de seu próprio governo torcendo para que as coisas deem erradas. Como um fungo que destrói uma árvore por dentro até secar todas sua seiva, ou uma célula cancerígena que vai se multiplicando até destruir o organismo levando a morte, esse grupo está agindo.
Uma das principais ações desse grupo base aliada do governo é fazê-lo não ver o obvio: se o governo conseguiu quitar no ano de 2013 todos os atrasados referentes à educação deixados pelo governo anterior, sem precisar retirar direitos dos servidores, porque pensar nisso agora, uma vez que até no máximo dia 10/01/14 ele terá pago toda a folha de dezembro e terá um ano de 2014 sem o peso dos atrasados a serem pagos?
O problema da folha de pagamento da educação de Marabá, parece o mesmo em vários municípios do Brasil: professores ganham mal e querem melhorar os seus salários, os demais servidores do apoio ganham salários miseráveis e querem ser lembrados no plano de carreira; mas os recursos são poucos. Realmente, os recursos são insuficientes. Os recursos do FUNDEB são insuficientes para cumprir com o desenvolvimento da educação básica e valorizar os profissionais da educação. Prova disso é que em nosso município são gastos quase 100% do fundo com a folha de pagamento e ainda não se cumpre com 1/3 da jornada como hora atividade, segundo manda a lei do piso.
Não é retirando o pouco que se conseguiu avançar que se vai equilibrar essas contas, é preciso buscar mais recursos. A educação em todo o Brasil precisa de mais recursos. Governadores e prefeitos deveriam engrossar o luta e exigir o mínimo de 10% do PIB como forma de financiar a educação. Ninguém valoriza uma empresa que paga mal, ninguém trabalha satisfeito ganhando pouco. É preciso inverter a lógica do FUNDEB, é preciso valorizar os profissionais da educação para desenvolver a educação básica.
Vamos torcer que a sensatez prevaleça da parte do governo e não venhamos a precisar levar a categoria para as ruas de Marabá e realizar a maior greve que um prefeito já enfrentou aqui no município da cidade Relicária.


Reações:

15 comentários:

  1. Gostaria de saber sobre o pagamento do PROJOVEM URBANO pois, já estamos a mais de tres meses trabalhando sem receber...e ninguem faz nada nem nos dá um posicionamento é só um jogando pro outro. Já estamos cansados de ouvir mentiras previsões que não são cumpridas...por favor nos ajude...Rivanir

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. aqui no tocantins alguns estão sem receber sera que o governo vai pagar com o acréscimo de 25% como vai pagar para os outros funcionários pq todos nos temos contas com juro pra pagar

      Excluir
  2. Há uma solução. É só acabar com os contratos de professores e chamar os concursados. Dessa forma, não faltará mais dinheiro para pagar os professores, pois não precisará mais gastar dinheiro com rescisão. Esse povo precisa aprender a administrar, parecem até que são leigos! rsrs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é o q falei uma vez, não contrata mais, pronto!!! Deixa os concursados q existem e os q faltam ser chamados, se virarem, dá 500 horas p eles e resolvido!!! Já q contratado da tanto gasto, não contrata, uai!!!

      Excluir
  3. Aurismar,sei q o assunto não é este más gostaria q a vossa pessoa nos informasse melhor sobre os comentários de q o HMM já foi terceirizado e a licitação ocorreu no final do mês de Dezembro e a assinatura do contrato foi feita no dia da confraternização dos servidores da Saúde.
    E pra surpresa de todos os proprietários da empresa(OS) são justamente os diretores Clínico(Dr.Pedro Lanuco)e Administrativo(sr.João)se isso for verdade então tá explicado prq o HMM só piorou fizeram de propósito pra justificar a terceirização já q o Dr.Pedro já era Diretor na gestão do MAUrino.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não estou sabendo dessa informação, mas vou investigar. Obrigado pela contribuição.

      Excluir
  4. Ainda temos atrasados...muitos professores deram entrada na mudança de nível I para nível II e até agora nada...tem alguma notícia sobre o pagamento das especializações Aurismar???

    ResponderExcluir
  5. Sim, isso é verdade, camarada. Sempre que cobramos essa questão à prefeitura, somos informados de que os processos estão na PROGEM e que todos aqueles que recebem o parecer favorável são progredidos. Há, todavia, uma morosidade terrível nesse trâmite, não sei se por conveniência da administração ou por sobrecarga da Procuradoria, acredito mais na primeira hipótese.

    ResponderExcluir
  6. Gosto muito da sua forma de abordar os temas sempre visando ambos os lados, eu sempre me mantenho informada no site pra nao ter ideias precipitadas, eu sou
    contratada e gostaria de saber se e verdade que haverá concurso público este ano.

    ResponderExcluir
  7. Não respondeu o 2º e 3º comentário pq não está por dentro do assunto, ou pq essa questão não lhe convém? Então vou argumentar esse assunto com o prefeito. Se existe vagas e há essa reclamação toda na semed por parte de pagamento, etc e tal...pq não faz a coisa certa e chama os pedagogos concursados? Querem ver bagunça, vão na semed, qdo começarem as contratações. rsrs

    ResponderExcluir
  8. ola sou funcionaria do pro jovem urbano e ate o exato momento não recebi meu pagamento, tem 4 meses quero saber se o governo vai me repassar os 25% do me salário em atraso pq temos conta pra pagar e corre juro pois sabemos que o governo federal repassou esse dinheiro pra o governo estadual em junho sou do tocantins e preciso de uma resposta o mas rápido possível..

    ResponderExcluir
  9. ola sou do toacantins e queria saber se o governo vai pagar mês 4 meses do pro jovem urbano com 25% com esta previsto pra os outros funcionários que não receberam, pois sabemos que o governo federal depositou o dinheiro na conta em junho e ate a data não recebi pagamento sou do pro jovem urbano, e sabemos que as contas da gente tudo corre juro, preciso de resposta ok

    ResponderExcluir
  10. oi alguém ai da noticia do pagamento do pro jovem urbano pq tenho 4 meses que não recebo sou do tocantins queria saber se o governo vai pagar com o acréscimo de 25% com vai fazer para os outros funcionários,sabemos que quando atraza as nossa contas correm juros preciso de resposta ok obrigado

    ResponderExcluir
  11. Sinceramente eu estou perdida com tudo isso, não sei se o que saiu em janeiro foi só o pagamento ou o pagamento e a rescisão. Por que se foi só o pagamento não encontro notícia sobre a rescisão, e se já rescebi tudo o que tinha pra resceber foi pouco, talvez tenha sido esta a consequência do destrato antecipad. Pois sei que houve um objetivo no qual não foi para beneficiar os contratados.

    ResponderExcluir

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.