terça-feira, 12 de novembro de 2013

REFLEXÃO SOBRE A GREVE ESTADUAL

"Se o homem é formado pelas circunstâncias, torna-se necessário formá-las humanamente; se por natureza o homem é sociável, ele só desenvolve sua verdadeira natureza na sociedade." (Marx-Engels, a sagrada família cap. V)
 
A Greve na Rede Estadual de Ensino do Estado do Pará, ao invés de caminhar para seu fim parece rumo ao contrário. Os últimos atos do governo tem causado tamanha indignação nos servidores que pela primeira vez na história de nosso estado estamos caminhando para uma Greve Geral dos Servidores. Pelo menos quinze sindicatos prometem somar apoio ao SINTEPP na assembleia de hoje à tarde na ALEPA. O DETRAN e os Servidores da Saúde já estão em greve, a PM e os Bombeiros ameaçam paralisar suas atividades.
As circunstâncias atuais são desumanas e degradantes. Com um piso salarial miserável de R$ 1.567,00 transformado em teto salarial, a categoria da educação precisa lutar por penduricalhos para manter uma salario de subsistência. No programa MAIS MÉDICO do governo federal, um médico iniciante receberá uma bolsa de 10 mil reais, não que não seja justo, penso que é , poderia ser até mais, porque não o salário de um deputado para uma médico que se dispõe a ir para os rincões do pais? Todavia, o que causa indignação é saber que para mesma localidade um professor experiente é mandado com um salário muito inferior e sem nenhuma condição de trabalho. Por isso precisamos regularizar o SOME para que sejam garantidos minimamente os direitos de nossos companheiros.
A realidade de quem trabalha na Zona Rural não é menos desumana. Se imaginarmos um fato corriqueiro, realidade em vários escolas do estado, de professores e alunos em uma sala de aula sem nenhum sistema de ventilação, em um clima que pode passar dos 40º graus, teremos a convicção que essa é uma situação suportada por poucos animais irracionais. Se tomarmos como verdadeiro o pensamento Marx-Engels, teremos que concordar também com a impossibilidade de se formar profissionais qualificados, uma vez que acredito que metade da formação do professor vem com prática, em situações tão desumanas; nem muito menos conseguiremos formar cidadãos críticos capazes de alterara a sua realidade, a menos que mostremos a eles, os alunos, a atual situação humilhante a qual são submetidos.
Esse movimento grevista que hoje somam 51 dias, tem essa responsabilidade, uma vez que a pauta principal não é salário e sim melhores condições de trabalho. O professor que "pensa no aluno" deve se manter na vanguarda dessa greve. O professor que só pensa no seu mísero salario e com ele se conforma não luta, isola-se por isso não se desenvolve. Dessa forma, companheiros, devemos nos manter Unidos com a finalidade de tornarmos nossa realidade mais humana.
 

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.