quarta-feira, 30 de outubro de 2013

CATEGORIA AGUARDA RESULTADA DA ASSEMBLEIA EM BELÉM

Em assembleia realizada ontem no Auditório do Campus I com servidores da Rede Estadual de Educação, os que estiveram presentes se posicionaram a favor de manter o movimento de greve até que se consiga alcançar os pontos de pautas da greve. Todos foram unânimes em dizer que Marabá não pode recuar a luta enquanto o comando de greve na capital não concluir as negociações com o governo. 
PROF. LENILSON
 Professor Lenilso, lotado no CAIC, se posicionou dizendo que "estamos vivendo um momento histórico, temos que apoiar a companheirada que está apanhando. Sou contra retornarmos com as mãos vazias, uma vez que no próximo ano teremos, provavelmente, que enfrentar outra greve". 
professor Joseilson
 "Quando começamos a greve, tínhamos uma pauta que ainda não foi atendida. Acredito que o governo não se rende porque a educação é a única categoria onde a greve não traz perdas uma vez que as aulas são repostas", professor Joseilson.


A professora Heidiane falou veementemente que as perseguições são verídicas, mas não podemos aceitar o papel paternalista e assumirmos funções que são próprias do estado. 
professora Heidiane














Professora Katiúcia foi uma das que fez discurso mais empolgante, segundo ela "terminar a greve agora é admitirmos que somos fracos. A gente sabe que o estado está parado e a greve gera pressão. Falta concurso público porque os contratados são votos garantidos. Temos que adotar a estratégia de buscar o servidor indignado para participar do movimento. A hora-atividade é uma realidade no Estado do Maranhão há muito tempo, mas que aqui o governo quer fugir da discussão. Nós que estamos na base temos que tomar a decisão pela luta".
Professora Katiúcia
A categoria aprovou aguardarmos o resultado da assembleia que acontece hoje, 30/10, na capital, para então construirmos o calendário de greve para Marabá. 

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.