quinta-feira, 12 de setembro de 2013

MARABÁ ESTÁ DISPENSANDO 42 LEITOS PARA CONVÊNIO COM O SUS

HOSPITAL SANTA TEREZINHA PODE FECHAR AS PORTAS
Na semana passada, denunciamos aqui no blog o caso do cidadão Ulisses, que corre o risco de perder 50% dos movimentos de sua mão esquerda, depois de ter sua cirurgia adiada por três vezes no Hospital Municipal por falta de leito e material para realização do procedimento. Felizmente, a família pode pagar a cirurgia em uma clínica particular.
Como forma de solucionar esse problema da saúde pública do município, o governo já bateu o martelo, o caminho é a terceirização. No que pese as melhorias administrativas prometidas pelas Organizações Sociais, que lucrarão com o negócio, há de se fazer um amplo debate com a sociedade para poder resguardar os direitos trabalhistas dos servidores ali lotados.
Em meio a essa estagnação na saúde, falta de leito, falta de médicos, e falta de tudo, onde uma simples consulta médica, mesmo particular, é disputada à xingamentos e empurrões nas recepções dos consultórios e clínicas particulares da cidade, um dos hospitais mais tradicionais de Marabá está por fechar as portas. Trata-se do Hospital Santa Terezinha, localizado na Marabá Pioneira. Segundo o médico, dr. Ivo,  o hospital possui 42 leitos prontos para firmar convênio com o Sistema Único de Saúde; mas se o convênio não for firmado, infelizmente, "teremos que fechar as portas e dispensar os funcionários , pois não há como manter tudo funcionando sem essa contrapartida", lamenta Ivo.
A prefeitura alega que o hospital foi construído de forma irregular, funciona onde antes era uma residência, não atendendo os padrões mínimos exigidos pela ANS. Se é assim, como esse hospital, que já serviu há tanto tempo moradores da cidade, funcionou em outras gestões conveniado pelo SUS? O hospital passou por reformas estruturais, possui enfermarias climatizadas, recepção agradável, como não atende às exigências mínimas?
Não conheço pessoalmente nenhum dos donos do Hospital Santa Terezinha, nem ganho nada por essa postagem; porém, já trabalhei em um hospital aqui da cidade como recepcionista, e sei que 42 leitos em convênios com o SUS faz muita falta para a população mais carente. Não é todo mundo que pode pagar 600 reais por uma noite na observação da emergência da CLIMEC. Penso que nesse caso está faltando vontade política da prefeitura. Quem será que ganha com isso?

Reações:

2 comentários:

  1. A Doutora Nara Braga,q faz parte dele, é maravilhosa, atende muito bem as crianças q lá estão, uma pena se fechar...

    ResponderExcluir
  2. verdade tem e q abrir outras

    ResponderExcluir

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.