sexta-feira, 12 de abril de 2013

GRANDE DEBATE SOBRE A SAÚDE DO MUNICÍPIO FOI REALIZADA HOJE PELO CMS

"Foi uma grande imbecilidade ter transformado aquilo em uma secretaria de saúde" (Nagib Mutran)

Aconteceu nesta sexta-feira, dia 12, na sede do Conselho Municipal de Saúde, presidida pelo servidor Demerval Bento da Silva, em reunião extraordinária do conselho, um grande debate sobre alguns pontos cruciais para o bom andamento da saúde pública do município. Estiveram presentes, além dos conselheiros, representantes de diversas entidades, o secretário de saúde Nagib Mutran Neto; Dr. Luís Sérgio representante da Sespa;  Walmir, coordenador do Colegiado Intergestor Regional - CIR, entidade que reuni os secretários de saúde de diversos municípios do estado; Valdenir Giliato, diretor do Hospital Regional do Sudeste do Pará entre outras autoridades relativas à saúde pública do município.  
O primeiro ponto tratado foi sobre a Regulação das UBS - unidades básicas de saúde, segundo informou o senhor Saraiva um dos diretores de departamento da SMS, essa regulação já começou a ser feita. O secretário de saúde destacou que, apesar de ter sido requerida em ofício pelo vereador Pedro Correia Lima, datado em 27/02/13, já é pauta antiga da secretaria devendo ter o vereador "apenas reiterado o pedido". Falou-se também sobre a possibilidade de se implantar quatro leitos para gestantes no Hospital Regional, segundo Nagib, essa questão já está bastante adiantada em negociação. Todavia,  segundo Luis Sergio, a questão não é apenas "só colocar os quatro leitos para funcionar. Temos que ter a atenção básica no municípios. Temos que ter uma triagem das gestações de auto risco na região porque a qualquer momento pode chegar um caso desse no hospital e não temos nenhuma estatística sobre isso. Se colocarmos apenas os quatro leitos para as gestantes vai ser um problema para nós, a minha sugestão é que se coloque mais quatro leitos na intermediária neonatal", destacou. 
Outro ponto bastante debatido foi a questão da troca dos aparelhos de Ressonância Magnética e Tomografia do Hospital Regional. Luis Sergio ressaltou que esses aparelhos já estão completamente obsoletos, que nos sete anos em que estão funcionando ficaram parados para manutenção no mínimo dois anos, se for computado todo o tempo. Disse ainda que esse equipamento da marca PHILIPS possui uma manutenção caríssima, pois sempre que se faz necessário qualquer reparo é necessário vir um engenheiro do Estado de São Paulo, podendo cada visita custar até 500 mil reais. Como um aparelho desses custa em média 2 milhões de reais, o que se gastou em manutenção daria para ter comprado dois aparelhos novos.  Nesse ponto tirou-se o encaminhamento de que o CMS encaminhará aos órgãos competentes a sugestão para que se adquira novos aparelhos e não mais se gaste com manutenção desses. 
Em desabafo Nagib Mutran falou que os demais muicípios tem que fazer a sua parte para desafogar a saúde no município de Marabá, mas "eles" [os secretários de saúde de outros municípios vizinhos] "não estão interessados nesse debate, já que é mais cômodo usar a ambulância e mandar o paciente para Marabá". Ao falar da necessidade de se ampliar o número de leitos aqui em Marabá, Nagib foi mais duro dizendo que na época em que ele foi prefeito, há vinte anos, viu a necessidade de se criar um hospital público em cada núcleo da cidade, foi pensando nisso que trouxe para marabá o projeto da construção do prédio onde hoje funciona a secretaria de saúde, disse ele. "Comprei maior briga, tive que deslocar o Corpo de Bombeiros do seu local para se construir um hospital no núcleo Cidade Nova. Foi uma grande imbecilidade transformar aquilo em uma secretaria de saúde, que poderia funcionar em qualquer prédio que tenha um espaço para almoxarifado"
No prosseguir da reunião, tratou-se de questões administrativas do Conselho Municipal de Saúde.

Reações:

5 comentários:

  1. e ninguem presente nessa reuniao nao teve coragem de dizer que o hospital que ele diz que construiu foi embargado pelo ministerio da saude por considera-lo de risco para os pacientes e que esse predio ficou anos abandonado servindo de abrigo de mendigos e drogados ate que o prefeito geraldo veloso para o aproveitar gstou alguns reais ali e transformou na secretaria. como ele esqueceu rapido o prejuizo que deu pra cidade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só para fazer justiça à fala do secretário, ele não disse ter terminado a obra, mas que ela foi concluída pelos seus sucessores.

      Excluir
    2. Na verdade ele não estava fazendo um hospital,mas um galinheiro a base de cobertura de brasilit.
      O nagib quer apagar a historia na força e na marra.

      Excluir
  2. Ei responda-me quem souber,quando foi que o Dr.Nagib Mutran trabalhou como Médico atendendo em algum centro de Saúde ou principalmente no HMM?Criticar os servidores que trabalham no HMM é fácil,quero ver ele é lá atendendo o povão,sou servidor há 13 anos e nunca vi ou ouvi falar que ele faz atendimento no HMM,onde os mais pobres correm pra lá,pimenta nos olhos pra gente é refresco...!

    ResponderExcluir
  3. È claro que os puxa sacos de plaantão bateram palmas pro grande nagib mutran, o bem feitor da cidade.
    E terrinha de muros baixossss.

    ResponderExcluir

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.