terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

NÃO HAVERÁ MAIS COMPLEMENTAÇÃO DA UNIÃO

Como os companheiros viram na postagem anterior, o Pará receberia R$ 330.845.270,54 de complementação em 31 de janeiro a ser dividido para cada um dos 144 municípios. Porém esse valor foi reduzido para ínfimos R$ 3.070.044,49, gerando uma perda de R$ 327.775.226,05 milhões”. 
Estávamos esperando entrar nas contas da prefeitura, como repasses da União, algo em torno dos 12 milhões de reais , nesse mês de janeiro. Sem esse dinheiro fica difícil qualquer expectativa com relação ao pagamento do mês de dezembro, sendo que essa folha está próxima dos 10 milhões de reais. Não digo isso para amedrontar os companheiros, mas para deixá-los em alerta para o pior. Sabe aquele ditado "devo não nego, pago quando puder", pois então, ele nunca seria tão bem dito nesse caso.
O que podemos fazer companheiros? Mais uma vez sentar com o gestor e ouvir a proposta dele. O que os companheiros tem a sugerir nesse caso? Nem tudo está perdido, vamos esperar que o ex-prefeito de Moju, Iran Lima, tenha êxito na sua missão de convencer o Ministério da Educação tornar nula essa Porcaria Interministerial.

Reações:

10 comentários:

  1. Companheiro Aurismar a coisa agora pegou, meu Deus quem poderá me salvar, do jeito que a coisa tá prefiro o salário até mesmo parcelado em 10 vezes..Rindo pra não chorar...

    ResponderExcluir
  2. É companheiro a coisa é pior do que pensavamos e o Banco nem pra liberar emprestimo, nome sujo na praça e os cobradores não querem saber de justificativas. Dividas e mais dividas.

    ResponderExcluir
  3. Nossa!!!!
    Colega Aurismar sei que a Equipe do Sintepp esta com os nervos fervendo assim como todos nós que estamos lendo essa postagem, mas peço que voces continuem a interceder por nossa classe na hora da reúnião de negociação, lutem para que nós não tenhamos mais reduções e percas diante das propostas feitas pelo gestor.

    ResponderExcluir
  4. Não sei qual será as sugestões propostas pelo prefeito, mas ele já sabia que assumiria uma prefeitura falida, salários e visa vale atrasados entre outras questões. Mesmo assim ele continuou a fazer promessas e nos encheou de esperança com o sonho de mudanças pra melhor, naquele dia que se comprometeu a investir no nosso PCCR dando sua palavra e assinatura ganhou não só o meu voto mais de uma parte muito grande dos profissionais da Educação. Fizemos a diferença na eleição e esperamos que ele também faça a DIFERENÇA durante estes quatro anos.

    ResponderExcluir
  5. Professor Aurismar,a possibilidade de não receber o salário de dezembro, deixou-me mais angustiada. Veja a situação em que se encontra essa educadora.Quando o salário de janeiro saiu, o Banco do Brasil cobrou a parcela do consignado de 1ºde janeiro e 1ºde fevereiro de 2013 no mesmo salário, restando apenas 22,00 reais de saldo negativo na conta. Quando fiz o emprestimo de 36X para construir minha casa, ainda restaria uns dois salários mínimos para atender as necessidades básicas da familia.Como comprarei meus remédios de uso contínuo para o coração,se não pude pagar os de janeiro na farmácia? E o material escolar das crianças? A alimentação? Como minha familia e eu sobreviverá no mês de fevereiro? Sou filiada ao SINTEPP-Marabá e conto com nossos representantes, no sentido de sensibilizar e intervir junto ao atual gestor para recebermos até o dia 10/02/13 o salário de dezembro.

    ResponderExcluir
  6. Professor Aurismar, a possibilidade de não receber o salário de dezembro até dia 10/02/13, deixou-me angustiada. Veja a situação dessa professora: Com base em 12 anos de salários pagos em dia, a tempos, fiz um empréstimo consignado para construir minha casa e restariam o valor de uns dois salários mínimos para atender as necessidades básicas da família após os descontos mensais. Mas, o Banco do Brasil descontou do salário de janeiro de 2013, a parcela de 01/01/13 e 01/02/13 restando apenas 22,00 de saldo devedor na conta. Como minha família sobreviverá no mês de fevereiro? A alimentação? E o material escolar das crianças? Os meus remédios de uso contínuo para o coração, como comprá-los, se não pude pagar os de janeiro na farmácia? Sou filiada ao SINTEPP, estou contando com nossos representantes para sensibilizar e intervir junto ao atual gestor municipal. Possivelmente existem outros profissionais da educação em situação similar.

    ResponderExcluir
  7. Eu quero meu salário de dezembrooooo!!!!!!

    ResponderExcluir
  8. Acreditamos que o atual prefeito poderá aproveitar as boas relações com o governo federal, para buscar articulações e corrigir o absurdo de reduzirem os recursos da educação para nossa região. Como fica a valorização do profissional da educação... a construção e ampliação de novas escolas...a busca de qualidade no atendimento educacional? "Contamos com o apoio do SINTEPP e do João pra mudar essa situação."

    ResponderExcluir
  9. A única sugestão que faço é que o Prefeito pense e analisa nós pros e contras de cada decisão que ele possa tomar, lembrando que tudo que a gente faz tem consequencia. E se mesmo assim ele ver que não vai dar conta então é só renunciar o cargo e deixar outra pessoa pegar esse pepino que não é pouco não.

    ResponderExcluir
  10. Simples meu amigo, o diálogo é bom se ter antes de qualquer decisão. Caso não haja uma negociação favorável a categoria, marque uma assembleia e vamos para a primeira GREVE. Pressão, vamos colocar pressão nesses merdas. Esse governo esta me parecendo que esta perdido, sem rumo. GREVE jááaaaaaaaaaaaaaa......

    ResponderExcluir

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.