sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

QUANTIDADE É MELHOR QUE A QUALIDADE

Tivemos hoje uma conversa muito chata com representantes do Conselho Municipal de Educação de Marabá. É, meu povo, esse conselho existe! Sabem ao que esses representantes estão se opondo, alegando a qualidade do ensino? Os três conselheiros que estiveram na reunião, se mostraram contra uma medida que vai beneficiar diretamente o professor. São contra adequar a hora-aula do município de 50 minutos, um absurdo herança da Kátia Américo, para 45 minutos. Dá para acreditar nisso? Isso seria inacreditável se os nobres conselheiros que lá estiveram fossem professores da rede municipal e tivessem tido experiência de pelo menos um ano em sala de aula. Tivessem eles tido que sair da escola ao meio dia e às 13:30 já ter que está em sala novamente, duvido que essa discussão fosse levantada. 
Um deles, o presidente do conselho, pessoa muito bacana da comunidade, representante dos pais; mas não é profissional do magistério, nunca trabalhou em escola. O outro, o cargo mais próximo que teve da escola pública foi como diretor de ensino no governo Maurino, "o professor tem que andar belo" que bonito, que poético! Também nunca passou pela nossa experiência de sala de aula. O terceiro, pessoa muito educada, conhecedora da educação, privada, diga-se. É dono de uma das escolas particulares de maior sucesso nesse município. Também nunca atuou em escola pública. A opinião deles é valiosa, mas é de quem está de fora, não pode ser decisiva nesse caso. Ou será que estou enganado? Os companheiros e companheiras concordam que a qualidade de nossa educação pública municipal está diretamente relacionada em manter a hora aula em 50 minutos? Eu tenho certeza que não.

Reações:

7 comentários:

  1. Fala sério, só pode esta brincando de Educação nesse Municipio tomam a decisão sem se quer saber qual a opiniao e a qualidade de vida do Professor e consequentemente da Educação. Não sei qual é o pior se um antigo Gestor Municipal levar o Municipio a falencia e a população sofre as graves consequencias como por exemplo atraso de salário, de visa vale, desconto de emprestimos, possiveis propostas de modificação do pccr na qual não beneficia em nada a classe ou umas pessoas ditas como experientes que mal pisaram na sala de aula querendo decidir a vida da comunidade escola sem ter nossa conscientização. Só resta saber as proximas cenas do capitulo dessa novela mexicana que é a Prefeitura de Marabá.

    ResponderExcluir
  2. Agora sim, tem maior identidade.

    ResponderExcluir
  3. acredito que se fizéssemos um manifesto(abaixo-assinado) com todos os servidores assinando as mudanças propostas, seriamos ouvidos, pois além de profissionais da educação, somos seres humanos dignos de uma qualidade de vida mais atraente e, eleitores. até agora nada mudou, tudo continua do mesmo jeito. assembléia urgente já!

    ResponderExcluir
  4. concordo que quantidade nunca foi sinônimo de qualidade, principalmente quando se fala em hora-aula. são inúmeros os benefícios que essa redução traria, e para toda a comunidade escolar:
    01- diminuição das faltas(por mais que tentem, alguns colegas não conseguem chegar no horário.fator distância, trânsito, locomoção, etc.);
    02- redução do número de alunos chegando atrasados (temos alunos que moram distante da escola e nunca assistem a primeira aula)
    03- melhora na qualidade do ensino, haja visto que esse horário é mais flexível para o profissional da educação.
    04- diminuição nos atrasos (30 minutos a mais, pode-se almoçar tranquilamente, aumentando o descanso entre os turnos)
    05- melhora no rendimento escolar (uma criança que chega na escola as 7:30 ou 13:00, as vezes sem o café ou almoço, só terá seu metabolismo acelerado lá pelas 9:00 ou 15:00 h.)
    06- facilidade para os pais que poderão levar seus filhos a escola no caminho para o trabalho (8:00 e 14:00 h).

    ResponderExcluir
  5. Sou totalmente a favor do horário das 8:00 as 14:00 e concordo com o colega de trabalho Robson quando afirma que a votação sobre as possiveis mudanças tem que levar em conta a opinião dos servidores para ser feita transformações justas e democraticas. Vamos progredir e não regredir se for mudar que seja pra melhor.

    ResponderExcluir
  6. Esses argumentos levantados pelo camarada Robson, foram usados no debate. Os conselheiros presentes disseram que marcariam nova reunião para quarta-feira (30/01/2013)...
    Na realidade, tudo isso é normal! o CME está apenas tentando fazer o que já deveria acontecer em gestões passadas: Ser ouvido!
    Para que um Conselho Municipal de Educação se ele não for decisivo em relação às suas atribuições?!
    Por outro lado, defendemos um ponto de vista de melhoria de qualidade de vida de nossos trabalhadores em educação, pois o nosso papel não é apenas lutar por salários. Temos convicção que essa proposta trará benefícios a todos os envolvidos pelo processo: trabalhadores em educação, estudantes e comunidade escolar.

    ResponderExcluir
  7. e aí as aulas vão ser de 45 minutos?

    ResponderExcluir

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.