domingo, 20 de janeiro de 2013

ORIGENS DA LITERATURA PORTUGUESA – A ERA MEDIEVAL (1198 – 1434) O TROVADORISMO: A POESIA


Com a queda do Império Romano, conquistado pelos povos bárbaros, surge a arte românica entre os séculos XI e XII, semelhante a dos antigos romanos. As cruzadas, movimento militar de caráter cristão teve como objetivos colocar a Terra Santa sob o comando dos cristãos. Em consequência disso a Igreja se tornaria a responsável pela unificação da Europa. Passaria a controlar o pensamento e a vida cotidiana das pessoas.
A história de Portugal enquanto nação surge justamente nesse período. Do antigo Condado de Portu-Cali é que surge no século XII, ano de 1100 d.C., o Reino de Portugal. O portugês é uma língua em formação, chamado pelos linguistas de galaico-português, proto-língua que dará origem ao galego, na região da Galiza, e ao português em Portugal. É em galeico-português que se encontram escritas as primeiras composições poéticas de Portugal.
A CANTIGA DA RIBEIRINHA: esse é o texto mais antigo encontrado composto em português. A data mais aceita para sua composição é 1198, o autor é Paio Soares de Taveirós, provavelmente de origem galega. A coposição é uma cantiga de amor feita para Maria Pais Ribeiro – a Ribeirinha, que era amante de D. Sancho I.
S. Spina, ao analisar a produção literária portuguesa dos primórdios de sua história afirma:
“Não podemos compreender a floração literária desta primeira época – que é exclusivamente poética  até pouco depois do reinado de D. Dinis (1340) – se não procurarmos integrá-lo dentro de uma moldura não só peninsular, mas principalmente latino-medieval.”.
Isso significa que a poesia produzida nesse primeiro momento, entre os séculos XII e XIV, em Portugal faz parte de um contexto histórico e cultural que excede os limites da Península Ibérica, da qual Portugal faz parte. Ao findar o Império Romano, os vários  focos que constituem uma poética românica começam a ganhar características locais, mantendo, no entanto, resquícios de uma cultura geral qu foi a Românica. S. Spina cita quatro dessas que ele chama de “forças poéticas do hemisfério românico”, a saber:
   a) O movimento lírico do Sul da França – a chamada poesia provençal;
       b)   A floração lírica do Minnesang na Alemanha;
      c)    A poesia dos trovadores do norte da Itália;
      d)  A poética dos árabes da Andaluzia;
Tanto a Região da Galiza quanto no Norte de Portugal, mais especificamente em Santiago de Compostela, vai se firmar uma poesia que tem nesses focos literários as suas raízes.
Há, todavia, em Portugal, uma produção literária de origem nativa, própria do galego e do lusitano, são as chamadas cantigas de amigo. Essas produções líricas remontam períodos antes de Cristo.
AS CANTIGAS DE AMIGO: nesse tipo de canção o eu-lírico é feminino, apesar de serem compostas por trovadores masculinos, são expressões da vida campesina e urbana, “nestas os seus autores permanecem fieis à tradição poética da primitiva România, em que a mulher era o agente e o tema dessa poesia.”.

Texto original de uma cantiga de trovadoresca
CARACTERÍSTICAS
A mulher:  tanto na Galiza quanto em Portugal a mulher era representada pelas meninas casadoras, que sofrem de saudades pelo amigo (amante) que fora combater o mouro invasor.
O doce realismo:
       a)   A vida no campo, com todas as sugestões da natureza;
      b)    A vida burguesa e o ambiente doméstico, representado sobretudo pelas relações com a mãe e as irmãs mais velhas;
     c)    Pequenos dramas e situações da vida amorosa das donzelas.
Imagética e temática
a)      As árvores, as fontes, os cervos do monte, os rios e o mar;
b)      As despedidas ou encontros de regresso com o amigo (amante);
c)       A mãe severa e vigilante.
d)      As mil e uma conjeturas sobre o atraso do amado;
e)      As reuniões festivas à frente das igrejas;
f)       As romarias;
g)      Os presentes oferecidos pelo namorado;
h)      Um suave saudosismo – a saudade galego-portuguesa.
S. Spina propõe uma classificação a essas cantigas conforme o assunto abortado. Dessa forma tem-se:
  a) CANTARES DE AMIGO EXCLUSIVAMENTE AMOROSOS: em que a donzela nos narra a separação do amigo e as circunstâncias que envolvem a partida. Veja o exemplo.

amiga, bem sei do meu amigo
que é mort’ ou quer outra dona bem,
ea nom m’envia mandado, nem vem,
e quando se foi, posera comigo
que se veesse logo a seu grado,
senon, que m’enviasse mandado.

A mim pesou, quando s’ ia,
E comecei-lhi enton a preguntar:
Cuidades muit’ amig’ Alá morar?
E jurou-me El par santa Maria
Que se veesse logo a seu grado,
Senon, que m’ enviasse mandado.

U estava comigo falando,
dixi-lh eu: que farei se vos non vir,
ou se vosso mandado non oír
ced’? enton jurou-me el chirando
que se veesse logo a seu grado,
senon, que m’ enviasse mandado.
(SANCHO SANCHEZ –clérigo de origem galega, deve ter vivido entre os reinados de Fernando III e Afonso X)
 b) CANTARES DE ROMARIA: em que a donzela convida companheiras, a irmã ou mesmo a mãe, para peregrinação a santuários, importantes pontos de referência para encontros e bailados. 

Mia irmana fremosa, treides comigo
A La igreja de Vig’, u é o mar levado
E miraremos lãs ondas!

A lá igreja de Vig’, u é o mar salido,
E verrá i mia madr’ e o meu amigo:
E miraremos las ondas!

A La igreja de vig’, u o mar levado,
E verrá i mia madr’e o meu amado:
E miraremos las ondas!
(MARTIM CODAX – jogral da época de Afonso III, Martim Codax parece haver participado. Se caracteriza por um delicioso primitivismo poético )
     c) PASTORELAS: nas quais o ambiente é rústico, não palaciano como na cantiga de amor, há nela a presença da pastora.

Oi oj’eu ua pastor cantar,
Du cavalgava per ua ribeira,
E a pastor estava i senlheira,
E ascondi-me póla ascuitar,
E dizia mui bem este cantar:
‘So ló ramo verde frolido
Vodas fazen a meu amigo,
e choram olhos d’amor”.

E a pastor parecia mui bem
E chorava e estava cantando;
E eu mui passo fui mi-achegando
Póla oír, e sol non falei ren;
E dizia este cantar mui bem:
“Ai estorninho do avelanedo,
 cantades vós, e moiro e peno,
e d’amôres hei mal!”

E eu oi-a sospirar enton,
E quixava-s’, estando com amôres,
E fazi ua guilarnda de flores;
Dês i chorando mui de coraçon
E dizia este cantar enton:
“Que coita hei tan grande de sofrer!
Amar amigo e non o ousar veer,
E pousarei so l’avelanal”.

Pois que a guirlanda fez a pastor,
Foi-se cantand’, indo-s’ em manselinho
E tornei-m’ eu logo a meu caminho,
Ea de nojar non houve savor
E dizia este cantar bem a pastor:
“Pela ribeira do rio cantando
Ia La virgo d’amor: quem amôres
Há como dormirá, ai bela frol!”
(AIRAS NUNES, de SANTIAGO – também clérigo como Sancho Sanches, foi dos mais notáveis do seu tempo)
  d) BAILADAS: que versam o tema da dança e os incidentes sentimentais que ela suscinta.

Bailemos nós já todas três, ai amigas,
So aquestas avlaneiras frolidas,
E quem for velida, como nós, velidas,
Se amigo amar,
So aqestas avelaneiras frolidas
Verrá bailar.

Bailemos nós já todas três, ai irmanas,
So aqueste ramo destas avelanas,
E quen for louçana, como nós, louçanas,
Se amigo amar,
So aquesto ramo destas avelanas
Verrá bailar.

Por Deus. Ai amigas, mentr’al non fazemos.
So aqueste ramo frolido bailaremos,
E quem bem parecer, como nós parecemos
Se amigo amar,
So aqueste ramo so l[o] que nós bailemos
Verrá bailar.
(AIRAS NUNES, de SANTIAGO)

    e) BARCAROLAS OU MARINHAS: cujo temário é extraído da vida marítima.

Per ribeira do rio
Vi remar o navio,
E sabor hei da ribeira.

Per ribeira do alto
Vi remar o barco
E sabor hei da ribeira.

Vi remar o navio:
I vai o meu amigo,
E saor hei da ribeira.

Vi remar o barco:
I vai o meu amado,
E sabor hei da ribeira.

I vai meu amigo,
Quer-me levar consigo,
E sabor hei da ribeira.

I vai o meu amado,
Quer-me levar de grado
E sabor hei da ribeira.
(JOÃO ZORRO – deve ter vivido a serviço de El-Rei D. Afonso II)
ESTRUTURA DAS CANTIGAS DE AMIGO: é um tipo simples, folclórica, composta para recitação em coral, versos parelhados na forma e no conteúdo, seguidos de refrão. É a chamada estrutura paralelística.
No ano de 1290, o rei trovador português, D. Dinis, criou a universidade Portuguesa. Esse fato foi importante porque é  partir daí que essa composição jogralesca começa  a entrar em declínio. Em seu lugar vai surgindo um tipo de produção mais culta surgida na Região da Provença,no Sul da França, é a cantiga de amor.

A CANTIGA DE AMOR: composição em que o eu-lírico é masculino. Tem sua origem no ambiente refinado da corte. S. Spina assim define esse tipo de produção:
“Os cantares d’amor, de procedência provençal, refletem um estilo de vida diferente: constituem um retrato da vida feudal da corte, portanto expressão de um meio culto, refinado, comprometida pelo convencionalismo da vida palaciana e com evidentes influencias da cultura clássica.”

FORMA: temos portanto um tipo de composição mais refinado do ponto de vista formal. Não há na cantiga de amor a estrutura paralelística encontrada na cantiga de amigo, nem o refrão jogralesco.

TEMÁTICA:  há uma constância no tema, o que pode deixar a leitura dessas cantigas um pouco monótona. Seu tema gira em torno da coita amorosa. O sofrimento do homem por ser amor incorrespondido por uma mulher, geralmente uma dama da corte casada. A mulher é vista de forma idealizada, é um ser inatingível. O trovador sente prazer nesse pesar. Essa característica da poesia primitiva portuguesa do século XV vai servir de base para a produção poética do século XVI, sobretudo no lirismo amoroso de Camões.
A cantiga de amor torna-se oficial em Portugal, uma vez que recebe a proteção real, sendo, muitas vezes, o próprio rei um trovador.
CARACTERÍSTICAS:
·         Amor inabordável e incorrespondência da mulher;
·         Vassalagem amorosa;
·         A sensação de que o amor é uma prisão;
·         O objeto amado visto como uma fortaleza que deve ser assediada para rendição;
·         A ideia de que o drama sentimental tem causa e consequência mediatas e imediatas;
·         Um conjunto de fórmulas estilísticas e outros aspectos da concepção amorosa;
·         A análise do drama amoroso é mais profundo e o requinte artístico mais procurado;

CANTIGA DE AMOR

Vós me defendestes, senhor,
Que nunca vos dissesse ren
De quanto mal mi por vós ven,
Mais fazendo-me sabedor,
Por Deus, senhor, a quen direi
Quam muito mal [lev’ e] levei
Por vós, s non a vós, senhor?

Ou a quen direi o meu mal,
Se o eu a vós non disser?
Pois calr-me non m’ é mester
E dizer-vo-lo non m’ er Val.
E, pois tanto mal sofr’ assi,
Se com vosco non falar i,
Por quen saberdes meu mal?

Ou a quen direi o pesar
Que mi vós fazerdes sofrer,
Que mi vós non fôr  dizer,
Que podedes conselh’i dar?
E, por em, se Deus vos perdon,
Coita dêste meu coraçon,
A quen direi o meu pesar?

(D. Dinis – trovador rei de Portugal)

AS CANTIGAS DE ESCÁRNIO E MALDIZER: fugindo a regra das composições líricas, quer seja nas cantigas de amigo ou nas cantigas de amor, há outro tipo de composição poética nesse período, cujo objetivo é tecer uma crítica falando mal ou escarnecendo publicamente alguém.

Veja abaixo a mais famosa dessas canções de escárnio e maldizer

Ai dona fea! Fostes-vos queixar
Porque vos nunca louv’em meu trobar
Mais ora quero fazer un cantar
En que vos louvarei tôda via
E vêdes como vos quero loar:
Dona fea, velha e sandia!

Ai dona fea! Se Deus me perdon!
E pois havedes tan gran coraçon
Que vos eu loe em esta razon,
Vos quero já loar tôda via;
E vedes qual será a loaçon :
Dona fea, velha e sandia!

Dona fea, nunca vos eu loei
En meu trobar, pero muito trobei;
Mais ora já un bon cantar farei
En que vos loarei tôda   via;
E direi-vos como vos loarei:
Dona fea, velha e sandia!
 (JOÃO GARCIA DE GUILHARDE)
 Esse período é chamado de trovadorísmo, do verbo trovara que significa cantar. Não havia ainda separação entre a poesia e a música. As composições, cantigas, eram feitas para serem cantadas. 


BIBLIOGRAFIA CONSULTADA
SPINA, Segismundo – PRESENÇA DA LITERATURA PORTUGUESA – Era Medieval

Reis, Eliana Vilela dos – Manual Compacto de Arte / 1ª Ed. São Paulo: Rídeel, 2010



OBSERVAÇÃO: essa e outras postagens de análise literária estão disponível no link ANÁLISES LITERÁRIAS.












Reações:

Um comentário:

  1. Muito legal companheiro, pois além de nos informar sobre o que acontece ainda tras informações referente a nossa historia e civilização. abraço e obregada.

    ResponderExcluir

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.