sábado, 20 de outubro de 2012

EMPRESA DA FAMÍLIA DO VEREADOR RONALDO YARA É SUSPEITA DE ESQUEMA FRAUDULENTO COM A PREFEITURA MUNICIPAL DE MARABÁ

Fonte Imagemhttp://ronaldoyara-14123.blogspot.com.br


 Já de muito tempo venho denunciando essa relação no mínimo estranha que há entre a empresa F.A. OLIVEIRA CRUZ LTDA ME, o vereador Ronaldo Yara e a prefeitura de Marabá.
Pois bem, no dia 20 de setembro de 2010, fazendo portanto dois anos agora em 2012, o cidadão ELIAS FERREIRA COSTA protocolou junto à polícia federal, através do Ofício nº 001/2010 – ELIAS F. COSTA, denúncia nos termos seguintes transcritos por nós abaixo:

“Na qualidade de cidadão marabaense e que cumpro com minhas obrigações tributárias e eleitorais com o município pagando meus impostos e ajudando a eleger os nossos representantes e governantes.

Considerando o relatório colhido no DIÁRIO OFIAL n 31735 de 20/08/2010, com o número de publicação 146775, onde mostra os extratos de contratos realizados pela Prefeitura Municipal de Marabá. Cópia em anexo.

Considerando a quantidade de escolas sendo reformadas pela Prefeitura Municipal de Marabá, através da Secretaria Municipal de Educação – SEMED por meio de contratos firmados com a empresa F.A. DE OLIVEIRA CRUZ LTDA ME.

Considerando que no relatório não foram mencionados se foi realizado pregão presencial, licitação ou carta convite para a escolha da empresa.

Considerando que a empresa F. A.  DE OLIVEIRA CRUZ LTDA ME, é de propriedade do senhor Fernando A. de Oliveira Cruz, e que este por sua vez é casado com a senhora Yara Batista Chaves, irmã do vereador Ronaldo Batista Chaves (PTB).

Considerando que o vereador Ronaldo Batista Chaves (PTB). É da base aliada do governo (prefeito), e por conta disso explica-se o porquê da empresa do seu cunhado ter ganhado o direito de realizar as reformas das escolas.

Considerando que Fernando A. de Oliveira Cruz e Yara Batista Chaves, respectivos marido e mulher moram na mesma casa queo vereador Ronaldo Batista Chaves na folha 28 bairro Nova Marabá e que lá na residência pode-se notar claramente material de construção entulhado pela área da residência. Como mostra foto abaixo.

Considerando que a empresa F. A. DE OLIVEIRA CRUZ LTDA ME, fica localizada na folha 28 bairro nova Marabá e o estabelecimento da mesma é só uma fachada ficando 100% do tempo de portas fechadas. Deixando suspeitas de existir um esquema montado entre o vereador e família para lesar os cofres públicos, já que a empresa faz fundos com a residência do parlamentar. Foto abaixo.

Considerando que no relatório do DIÁRIO OFICIAL consta que foram realizado 10 contratos com a empresa F. A. DE OLIVEIRA CRUZ LTDA ME, todos sem licitação pública. Todos detalhados de forma a driblar a fiscalização, qual foi parâmetro usado para contratar a empresa?
Adotando a teoria que toda contratação de parentes até o terceiro grau em linha direta ou colateral, consanguíneo ou afim, salvo algumas exceções. Portanto, o agente político ou membro de poder não pode dar emprego público com cargo de provimento em comissão, dar função gratificada ou contratar temporariamente pessoas ou firmas sem licitação pertencentes a:
·         Esposa ou esposo
·         Filho (a), neto (a) e bisneto(a)
·         Pai, mãe, avô, avô, bisavô e bisavó
·         Irmão, irmã, tio(a) e sobrinho(a)
·         Parentes da esposa ou esposo: Pai, mãe, avô, avô, bisavô e bisavó, Irmão, irmã, tio(a) e sobrinho(a), Filho (a), neto (a) e bisneto(a)

·         Cônjuge do filha(a), neto(a) e bisneto(a)

·         Cônjuge do tio(a), irmão, irmã e sobrinho(a)

Venho por meio deste, encaminhar a esta promotoria a denúncia, [...]”

Ofício da denúncia traz fotos da casa do vereador Ronaldo Yara, traz também cópia das ordens de execução das obras que em 2010 somaram R$ 1.475.598,38 (um milhão quatrocentos e setenta e cinco mil quinhentos e noventa e oito reais e trinta e oito centavos). 
Esse faturamento milionário da F. A. DE OLIVEIRA CRUZ LTDA ME, continuou em 2011 e 2012. Conversei com um trabalhador da construção civil, que prestou serviços para essa empresa, que pediu para não ser identificado. Ele afirma categoricamente: “O Fernando não manda em nada lá não, quem manda mesmo o Ronaldo, ele é quem é o dono da empresa!”. Será que isso de fato acontece? O vereador Ronaldo Yara faria isso mesmo? Por bem ou por mal, vamos ver no que vai dar o processo que está sendo investigado pela Procuradoria da República no Município de Marabá. 
As escolas que em 2010 passaram por “reformas” e renderam essa cifra para a empresa da família do vereador foram:
1.       EMEF Odilio Maia – folha 08
2.       EMEF José Cursino – folha 10
3.       EMEF Tranquedo Neves – folha 23
4.       EMEF Silvino Santis – folha 33
5.       EMEF Irmã Teodora – Independência
6.       EMEF Darcy ribeiro – Liberdade

Em próxima postagem, vou trazer para os companheiros o faturamento que os parentes do vereador tiveram nos anos de 2011 e 2012 através dessa empresa “de fachada” segundo suspeitas do denunciante.

Reações:

7 comentários:

  1. Olha que tem escolas que nem passaram por essas reformas.

    ResponderExcluir
  2. Isso é muito sério! O MPF pediu ajuda do SINTEPP para ajudar esclarecer esta denúncia. Passamos a responsabilidade para os Coordenadores Aurismar Queiroz e Lucimar Tavares, ambos representantes da categoria no Conselho do FUNDEB. O que estiver errado eles vão achar!

    ResponderExcluir
  3. Sônia Sacramentooutubro 26, 2012

    É uma pena que, enquanto existirem cofres públicos, esses problemas nunca deixarão de existir também.

    ResponderExcluir
  4. Concordo com os comentários, e acho até que poderíamos pedir explicações do vereador em plenária na Câmara Municipal.

    ResponderExcluir
  5. axo que por isso que quando tinha que assinar a favor de uma CPI contra o MAURINO ele nunca podia. pois o mesmo estava sendo beneficiado. e acredito que ainda é possivel isso nao dar em nada. porque esse é o nosso pais. os que tem poder nunca pega nada pra eles, um cara desse ainda diz que é vereador para representar o povo e o povo ainda acredita nisso.

    ResponderExcluir
  6. Acho que a pessoa para receber um cargo como vereador teria que não ta respondendo na justiça. Aina mais que era vereador e mesmo com a investigação comprovada sobre ele, se candidatou e ainda foi eleito. Acho que ele so deveria receber o cargo como vereador depois do julgamento dele. E dependendo da situação nem assumisse o cargo. O incrivel é que se UM POBRE for suspeito de algum crime ja vai logo pra cadeia, e UM RICO por mais que comprovado o crime mesmo assim nao vai pra cadeia. Ta ficando mto dificil hoje em dia acreditar na justiça do nosso país. Incrivel tbem é que toda a câmara com certeza sabia de tudo que estava acontecendo no governo MAURINO. Mais acho que o governo Maurino foi o governo em que os vereadores mais ganharam dinheiro. Por isso que chegou a esse ponto.

    ResponderExcluir
  7. Quero ver provar isso,porque toda essa suspeita nao passa de uma grande vontade desse blogueiro querer adiquirir um pouco de midia

    ResponderExcluir

O blogger não publicará postagens anônimas de cunho ofensivo a pessoas físicas. E também não adianta querer detonar o SINTEPP.